Entre Os Tesouros Da Sinagoga 1

A sinagoga Maimónides (em árabe: كنيس c ميمون) bem como conhecida como a sinagoga Rav Moshe, é uma histórica sinagoga no Cairo, Egito. Em março de 2010, o governo egípcio concluída a restauração do prédio atual, que data de finais do século XIX. Nesse lugar neste momento existia uma sinagoga por volta de 2 séculos antes da chegada de Maimónides para o Egito, em 1168, após seu exílio de Córdoba, o al-Andalus, às mãos dos almóadas.

Esta tribo berbere tinha conquistado Córdoba, em 1148 e forçou a comunidade judaica a se converter ao Islã ou exilar-se. A família de Maimónides, juntamente com a maioria de judeus, optou pelo exílio. Após ir mais de 10 anos em Almeria, mudou-se para Marrocos e, enfim, acabaram em Fustat, governado por uma dinastia ayubí. Lá obteve novamente popularidade e tornou-se médico do grão-vizir de Saladino, Qadi al-Fadil.

Maimónides, estudou e trabalhou numa yeshivá anexa à pequena sinagoga, ambas situadas no Harat al-Yahud, a cidade do Cairo medieval. Após sua morte, em Fustat, doze de dezembro de 1204, acredita-se que foi enterrado por um curto período de tempo pela sinagoga antes de ser sepultado no túmulo de Maimônides, em Tiberíades, Israel. Segundo a tradição, seus ossos foram localizados durante uma semana em um menor santuário, que costumava usar para entender e curar os doentes. No século XIX, foi formada outra sinagoga no local e foi nomeada em sua honra.

A situação dos judeus que viviam no Egito ficou muito precária em meados do século XX. O crescente nacionalismo árabe, juntamente com as tensões entre judeus e árabes depois da batalha árabe-israelense de 1948 e a posterior competição do Sinai, provocaram restrições econômicas que influenciaram gravemente pela comunidade judaica egípcia.

Vários milhares de residentes judeus foram expulsos do nação depois da briga de 1956 e milhões de pessoas abandonaram as abusivas condições sociais e econômicas. A sinagoga foi fechada, já que só restavam cerca de 30 judeus no Cairo, a maioria mulheres idosas, e a tua estrutura quase desaba devido à água subterrânea e os terremotos.

O teto do edifício caiu em 1992 e os escombros ficaram abandonados no chão. O subúrbio em que se encontrava a sinagoga logo se encheu de lixo. O chefe do Conselho Supremo de Antiguidades, Como Foi, considerou que a sinagoga foi utilizada na última vez em 1960. Ainda que foi declarada como idade, em 1986, não se produziu nenhuma restauração durante o século XX.

  • 2 Como e com que finalidade serve o compromisso
  • Avaliar riscos e proveitos
  • 1998 – Prémio Científico Distinto de SACNAS
  • 1 A inevitável decadência do império (1354-1385)
  • 1 Zonas arqueológicas

Em junho de 2009, o governo egípcio começou um projeto de restauração, iniciada um mês mais tarde, Como Foi, o que é gastarían 2 milhões de dólares com um tempo de serviço de dezoito meses. Os trabalhos foram concluídas em março de 2010. Juntamente com o túmulo originária de Maimónides, a sinagoga contém duas áreas utilizadas para rituais e orações, uma das quais incluía uma seção para mulheres.

Entre os tesouros da sinagoga, encontra-se uma bíblia, que supostamente foi escrito por Maimónides. O ex-embaixador de Israel no Egito, Zvi Mazel, ponderou que “os resultados foram espetaculares; as cores originais foram restaurados quase idêntica”. Em 14 de março de 2010, a solenidade de inauguração foi cancelada. A sinagoga e a sua anexa, que têm sido tradicionalmente consideradas lugares milagrosos. Até a proibição de tua utilização pelo governo egípcio, em 1948, a sinagoga foi usada como um local de cura para a comunidade judaica local. O paciente dormia em um solo especial do ambiente com a esperança de que sonhasse com Maimónides e melhorasse.